domingo, 5 de maio de 2013

Polícia Federal cumpre Mandado de Prisão Preventiva em desfavor da última remanescente da Operação Bisturi


Policiais Federais lotados na DELINST-Delegacia de Defesa Institucional prenderam ontem dia 03.05.2013 por força de Mandado de Prisão expedido pela 13ª Vara a sentenciada ELDÊNIA DE SOUZA CAVALCANTI, brasileira, casada, 63 anos, natural de Recife/PE e residente em Boa Viagem/PE. A prisão aconteceu em sua residência e não houve qualquer obstáculo ou resistência de sua parte quando da chegada dos policiais federais em sua residência por volta das 9hs. A prisão faz parte da “OPERAÇÃO BISTURI” deflagrada em dezembro de 2003, que desarticulou uma quadrilha de traficantes de pessoas, as quais eram aliciadas em Pernambuco com o fim de retirada de órgãos humanos (rins) para execução da cirurgia na África do Sul. Na época ELDÊNIA tinha sido presa, mas recorreu da sentença condenatória do Juízo da 13ª Vara Federal à 04 (quatro) anos 07 (sete) meses e 20 (vinte) dias de reclusão e ficou aguardando em liberdade, porém a decisão condenatória foi mantida pela Segunda Turma do Tribunal Regional Federal da 5ª Região-(Recife) que transitou em julgado em 11.09.2006.

Dentro da organização criminosa a suspeita era quem auxiliava o seu marido (IVAN BONIFÁCIO DA SILVA, vulgo “Capitão Ivan”, oficial reformado da Polícia Militar de Pernambuco) nas atividades que ele desenvolvia dentro da quadrilha, substituindo-o quando de suas ausências, acompanhando os futuros vendedores de rins ao laboratório para realizarem os exames, providenciava seus passaportes junto à Polícia Federal, ia com eles até o embarque no aeroporto e funcionava como intérprete dos aliciados na Àfrica do Sul.  A sentenciada foi condenada na época pela prática dos crimes tipificados no artigo 15 da Lei 9.434/97 e artigos 71, 69 e 288 todos do código penal (comprar ou vender órgãos ou partes do corpo humano continuadamente e formação de quadrilha). Após sua prisão a ré foi levada para fazer exame de corpo de delito no IML- Instituto de Medicina Legal e em seguida recambiada para Penitenciária Feminina de Abreu e Lima/PE, onde ficará à disposição da Justiça Federal.

ENTENDA O CASO:
A “Operação Bisturi” teve a duração de 9 meses, tendo sido iniciada em março/2003 e concluída em dezembro de 2003 (9 meses), seu objetivo foi desarticular uma quadrilha de traficantes de pessoas no Brasil com ramificações no exterior (Àfrica do Sul e Israel), as quais aliciavam pessoas pobres e em situação financeira difícil em Recife/PE e cidades do interior de Pernambuco com o fim de retirada de seu órgãos (rins) para execução da cirurgia que eram oferecidos para pacientes de Israel na África do Sul no intuito de aplicar um golpe no sistema de saúde daquele país que indenizada cada cirurgia com o valor de U$ 150 mil dólares. As pessoas que faziam a cirurgia tinha que assinar uma declaração afirmando que a pessoa que receberia o órgão era seu parente. Após recebimento dos valores a quadrilha pagava os valores pertinentes à pessoa que se submetia a intervenção cirúrgica para retirada do órgão e dividia o restante com todos os integrantes da quadrilha que chegava a ser vinte vezes mais do que os brasileiros recebiam.

Em recife o esquema era comandado por IVAN BONIFÁCIO DA SILVA, (condenado a 10 anos de reclusão) e sua esposa ELDÊNIA DE SOUZA CAVALCANTI (condenada a 4 anos e 7 meses) que tratavam de acompanhar os futuros vendedores de rins ao laboratório para realizarem os exames, providenciar seus passaportes junto à Polícia Federal, embarca-los no aeroporto e funcionar como intérprete dos aliciados na Àfrica do Sul que juntamente com JOSÉ SILVIO BORDOUX (condenado a 7 anos e 4 meses de reclusão, Capitão Médico da Polícia Militar, utilizava seu consultório para emitir as solicitações de exame a respeito da compatibilização com o recebedor do transplante) e por fim GEDALYA TAUBER (condenado a 11 anos e nove meses de reclusão- era responsável por trazer o dinheiro para cooptar as pessoas para realização das cirurgias). GEDALYA encontra-se atualmente foragido depois de haver recebido o aval da Vara de Execuções Penais/PE para realizar uma viajem pelo período de 30 dias em janeiro/2009, porém não retornou, motivo pelo qual sua prisão foi decretada em outubro/2009 tendo sido considerado foragido e procurado em todo o mundo inclusive pela INTERPOL, desde então.

Ao todo foram presas e condenadas 12 pessoas no Brasil (aliciadoras), 02 em Israel (responsável pelo fraude no Sistema de Saúde para realização das cirurgias) e 20 na África do Sul (médicos e enfermeiras que realizavam as cirurgias). Durante as investigações foi detectada a ida de 47 (quarenta e sete) pessoas para o Hospital Sant Agostini em Durban/África do Sul. As pessoas que eram levadas para retiradas dos rins recebiam em torno de R$ 5.000,00 a R$ 30.000,00 (cinco a trinta mil reais). Estima-se que aproximadamente $ 4 milhões de dólares foram desviados pela quadrilha nessas intervenções cirúrgicas.

Um comentário :

  1. cadeiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa neses pilantrasssssssssss

    ResponderExcluir