quinta-feira, 21 de março de 2013

Quadrilha está praticando golpes no Agreste Meridional

Chegue deixado pela quadrilha a uma vítima do golpe
Uma quadrilha está praticando estelionato na região do Agreste Meridional. As vítimas são criadores de animais. Os criminosos chegam às propriedades rurais como compradores de gado e com boa conversa conseguem enrolar os proprietários e fecham negócios, levam o gado e pagam com cheques roubados, de pessoas falecidas, extraviados, ou seja, sem fundos. Um dos golpes foi realizado no município de IATI-PE, onde a quadrilha deixou um cheque falso.

CARACTERÍSTICAS DOS ACUSADOS:
1. São quatro homens, sendo que um deles aparenta ter mais de sessenta anos;
2. Compram pelo valor que o dono pede;
3. Utilizam-se de um Caminhão Mercedes Bens, modelo 1113 na cor azul, com a carroceria também azul e a descrição "JESUS" na lameira traseira.
4. Colocam um número de telefone na parte de trás dos cheques, geralmente com DDD 83;
5. A caligrafia da assinatura não é a mesma do preenchimento, ou seja, o pacote de cheques que eles têm, já está assinado.

Há relatos que já ocorreu esse crime nos municípios de Iati, Paranatama e Lagoa do Ouro.

Um comentário :

  1. LUGA DE LADRÃO É NA CADEIA VEJAM ESTA NOTICIA DE ALAGOAS
    vejam que noticia agradável seria excelente isto acontecer na cidade de caetés e regiões só assim a população teria uma resposta da justiça neste pais

    EX-PREFEITO ALAGOANO É PRESO PELA PF
    Ex-prefeito de Campo Alegre (AL) é preso pela PF Uma operação do Grupo Estadual de Combate às Organizações Criminosas (Gecoc) do Ministério Público Estadual (MPE) de Alagoas e da Polícia Federal cumpriu nove mandados de prisão expedidos pela 17ª Vara Criminal da Capital, na manhã desta quinta-feira (21). Pelo menos quatro pessoas já foram presas, entre elas, o ex-prefeito do município de Campo Alegre, José Maurício Tenório.

    De acordo com o MPE, há pouco menos de uma semana, o ex-prefeito e outras dez pessoas, foram denunciados por uma série de práticas ilícitas, a exemplo de fraude à licitação, apropriação de bens públicos, falsidade ideológica e formação de quadrilha.

    Depois de investigar vários processos licitatórios dos últimos quatro anos, foram descobertas irregularidades em pagamentos de serviços e produtos na ordem de aproximadamente R$ 787 mil.

    Com base nos depoimentos prestados por parte dos envolvidos no esquema e após análise de farto material apreendido durante o cumprimento de mandados de busca e apreensão em dezembro passado, o Gecoc pediu a prisão preventiva dos acusados, que se encontram detidos em uma delegacia no bairro do Jaraguá.(blog de magno martins)

    seria bom que todos que rouba os cofres públicos tivesse o mesmo destino

    ResponderExcluir